28
Ago 10

1º Capítulo:

 

Dia 28 de Agosto:

 

O calor, a brisa quente, o ar abafado batem na minha cara levemente.

Devo dizer que a minha vida na Califórnia é do melhor que há... Faço compras com as minhas melhores amigas Ashley e Vanessa todos os dias, ando no melhor colégio da cidade e ainda tenho um namorado perfeito chamado Justin Gaston. Já para não falar da minha casa. É um espectáculo. Combinei hoje de ir às compras com as minhas amigas mas já estou atrasada.

...

-Miley! - era a minha mãe a chamar-me.

-Diz!

-Tem calma. Onde vais com tanta preça? - perguntou-me.

-Vou sair com a Vanessa e com a Ashley

-Está bem... Olha Miley o teu pai queria-te dar esta noticia mas achei melhor ser eu...

-O que se passa? Já não fabricam casacos de pele? - brinquei.

-Não. A empresa do teu pai foi à falência e ele não sabe se consegue aguentar o emprego dele... Por isso vais deixar o colégio e as compras exageradas.- disse-me ela.

-As compras ainda consigo mas o colégio... Para onde é que vou? Mãe, eu era a melhor aluna da turma!

-Miley, és uma exelente aluna, não é por mudares de escola que vais deixar de ser!

-Mas e a Vanessa e a Ashley? E o Justin?

-Oh Miley... Vais ver as tuas amigas quase todos os dias. E quanto ao Justin to mal o vês... - disse a minha mãe.

-Está bem. Até logo - disse ainda triste.

...

Cheguei ao centro comercial e vi a Ashley.

-Olá! - disse ela. - Então pronta para mais um dia de compras?

-Não! Não vou poder comprar nada. E só o mais barato!

-O que aconteceu? A tua mãe não deixa? - gozou-me ela.

-Não, não deixa. Qualquer dia ainda me diz que tenho que ir aos chineses!

-Miley, deixa de ser fútil... A roupa lá nem é assim tão má - riu-se ela.

-Ashley! - berrei - não tem piada!

-Oh Miley tem calma eu pago-te alguma coisa e depois dás-me o dinheiro. Afinal, dinheiro não é o teu problema.

-Pois claro! Ashley não estás a perceber. O meu pai pode ser despedido a qualquer momento e se assim for ficamos sem dinheiro. E não te esqueças que a minha família é grande. Por isso tenho que cortar nas compras e até no colégio! - disse eu zangada.

-No colégio? Vais deixar o colégio?

-Sim!

-E para onde vais?

-Ainda não sei...

-Vamo-nos mas é deixar de tristezas... Olha aquelas duas ali!

 

Ashley apontou para duas raparigas que deviam ter a nossa idade.

 

-O que tencionas fazer? - perguntei-lhe.

-Vê só!

 

Ashley estica a perna e faz tropeçar a miuda de preto. Ela levanta-se e a outra começa para lá a refilar.

 

-Olha tu és parva?! - disse a outra.

-Deixa estar Selena! - disse a de preto.

-Deixo nada. Viu-se que foi mesmo de propósito! - disse a tal "Selena".

-Pois foi, e agora o que é que vais fazer? - disse a Ashley.

 

Isto cheira-me a problema por isso é melhor ir para a beira da Ashley antes que uma delas se exalte e aquilo vá longe demais.

 

-O que é que se passa? - fiz-me de desentendida e perguntei.

-Nada! São só estas aqui armadas em finas. - disse a Ashley.

-Selena, anda vamos embora. - disse a de preto.

-Oh Demi espera. Esta aqui fez-te tropeçar e vai pedir desculpa.

-Querias! - disse a Ashley.

-Oh Ashley pede lá desculpa e vamos embora - disse eu para acabar com aquilo.

-Peço nada! Vá, anda, faz o que a tua amiguinha manda e vai-te embora. Não vêz que ela não sabe enfrentar ninguém. Está cheia de medo e quer fugir... Vá foge! - disse a Ashley a rir-se.

 

A Demi, a que estava de preto, que já se ia embora virou-se para trás e deu uma estalada na cara da Ashley. Eu e até a amiga dela ficámos espantadas. Elas foram-se embora e a Ashley ficou furiosa.

Algum tempo depois apareceu a Vanessa e a Ashley não se calou a tarde de toda.

 

-Se as volto a ver não sei que lhes faço!

...

-Quem é que aquela pensa que é?!

...

Já estava saturada... Já nao a podia ouvir. Por isso decidi ir sozinha a uma loja de desporto.

Estava a ver os ténis quando me esbarrei num rapaz e derrubamos as caixas das sapatilhas.

 

-Desculpa - pedi começando a arrumar as caixas.

-Não, a culpa é minha... - disse ele a ajudar-me.

 

No meio daquela arrumação toda sem querer as nossas mãos tocaram-se. Fiquei sem saber o que dizer...

 

-Mãos macias! - disse ele.

-Hidratante...  - ri-me eu.

 

Acabamos de arrumar as caixas quando chega a rapariga de à pouco, Selena acho eu.

 

-Nick - gritou, contente, ao abraçá-lo e beijá-lo.

 

Deduzi que fossem namorados. Fui-me embora.

Ao sair da loja esbarrei-me (novamente) num rapaz. Fogo, os rapazes giros perceguem-me.

 

-Desculpa - pedi.

-Não faz mal. Eu sou o Joe - disse ele.

-Miley! - apresentei-me.

-Espero ver-te mais vezes Miley - disse ele.

-E eu a ti.

 

Saí da loja e procurei a Vanessa e a Ashley. Como não as encontrei em lado nenhum fui para casa pensar na minha feliz, agora triste, vida...

 

Então? Gostaram?

Espero que sim e peço imensas desculpas pela demora!


Peço desculpa a todas as minhas leitoras pela minha ausência, mas estive de férias e voltei à dois dias e ainda não tive tempo para escrever mas hoje sem falta a nova fic! :D


09
Ago 10

"Because of you... I am afraid"

 

Miranda on:

A separação foi complicada. Nunca mais fui a mesma. Passou um ano desde que nos separamos. Eu fui feliz. Eu fui feliz com o Nathan, pelo menos enquanto durou.

Ele mudou-se à algum tempo. Nunca mais o vi. Nunca mais ouvi falar dele. A Jennette está muito feliz. Tem um novo namorado e estão super contentes.

Já eu continuo a solitária Miranda. Não sai com ninguém desde o último Verão. O que aconteceu com o Nathan foi demasiado importante para mim para eu esquecer à primeira oportunidade. Tudo bem, fui feliz enquanto aquele "romance" durou mas a partir daí nunca mais confiei em quem quer que fosse. Entraram uns rapazes novos para a minha turma mas eu não sai com nenhum deles. Não queria ter mais uma desilusão...

 

Jennette on:

Apesar de continuar sem perceber se a Miranda ainda gosta do Nathan segui com a minha vida. Não sou nenhuma casamenteira... Além disso o que aconteceu entre eles não foi culpa minha apesar de continuar a sentir-me culpada...

Mas eu estou feliz... Considero-me feliz. Sou uma pessoa feliz e não preciso que ninguém mo diga. Esta feliz com o Peter (o meu novo namorado) e tive boas notas, tenho uma melhor amiga espectacular. Conheci gente nova graças ao Peter e ando muito feliz. Acordo com um sorriso todas as manhãs.

Já a Miranda... Ela nunca mais foi a mesma. Lembro-me de a ver de rastos no meu do chão em frente a casa do Nathan... Lembro-me de a ver com um olhar muito infeliz mas não me lembro de a ter ouvido dizer que não gostava do Nathan por isso...

Mas como não tenho nada a ver com isso vou mas é seguir com a minha vida e esquecer o passado!

 

Miranda on [novamente :)]

Não estou bem, nem me sinto bem... Já nem sequer me sinto normal. Acho que tenho tudo contra mim apesar de ser uma mentira.

A mim parece-me que só vou ter namorado aos 20... Não sou capaz de estar com um rapaz, de falar com um rapaz... Tenho medo que me aconteça o mesmo. Tenho medo que o meu suposto futuro namorado não goste do meu feitio e me abandone como o Nathan!

Por tua causa...eu estou com medo.

 

Sei que não foi bem o que esperavam mas eu gosto dos finais dramáticos! :)

Só quero agradecer a todas as leitoras que seguiram a minha fic e quero muito saber a vossa opinião! :D

Também quero dizer que vou escrever uma nova fic...

Em breve começo uma nova fic... :)

By ficsaboutstars às 20:57
I'm feeling...: Opiniões!
Music :) : Because of you

08
Ago 10

"Now I know what I feel about you now"

Depois do almoço fui a casa da Miranda. Toquei à campainha e a Kim (irmã dela abriu-me a porta).

-Olá Kim, a tua irmã está?

-Obvio... Ela não sai de casa à dias! Eu vou chama-la.

-Não! Deixa estar... Eu vou ter com ela - sabia que se a Kim lhe dissesse que eu estava ali não ia falar comigo - onde é que ela está?

-No quarto... Onde querias que estivesse?! - que simpática que a Kim é (irónica).

Avancei pela casa e por fim cheguei ao quarto dela. Bati à porta e ela não respondeu... Voltei a tocar e ela disse:

-Kim desaparece... Não te empresto o meu i-pod!

-Não é a Kim. - suspirei, ganhei coragem e disse - sou eu, a Jennette!

-Desaparece... na mesma - gritou.

-Jennette - disse a mãe dela que estava a passar por mim. Ia morrendo de vergonha.

-Boa tarde Sr. Cosgrove...

-Porque é que não entras? A Miranda está no quarto.

-Pois, eu ... - sussurei cheia de vergonha.

A mãe da Miranda abriu a porta don quarto e disse para a Miranda:

-A Jennette estava à porta! Não a deixaste entrar porquê?

-Eu.. - sussurou.

-Eu ainda não tinha batido à porta - foi a primeira coisa que me veio à cabeça.

-Pois! - disse ela.

-Bem, vou deixar-vos sozinhas! - disse a mãe dela e saiu do quarto.

-Não disseste à tua mãe...- disse.

-O que é que tu queres?

-Explicar-te o que aconteceu... Dá-me uma hipotese! Ouve-me!

-Diz... Rápido!

-A minha mãe está doente... E eu encontrei o Nathan naquele dia por acaso e contei-lhe e ela apenas me abraçou! Nada mais! Tu nem lhe deste tempo para explicar... Ele ainda gosta de ti!

-Ah... sim...? - disse ela - não é que me importe!

-Pois claro (eu estava a ser irónica).

-Ok. Importo-me, mas que queres que faça?!

-Primeiro quero que me perdoes... Depois quero que vás atrás dele e lhe digas que ainda gostas dele e quero que façam as pazes.

Considero-me uma boa amiga :)

-Ok... Eu perdoo-te e vou já ter com ele!

Fiz uma cara feliz, sorri e disse:

-Ah! Ele está em casa.

-Obrigada.

(Jennette off/Miranda on)

Sai de casa sem dizer nada a ninguém. Estava feliz por ter percebido o que tinha acontecido. Estava a ser tão injusta... Espero que ele me perdoe.

Cheguei a casa dele. Toquei à campainha e ele abriu a porta.

-Miranda?! - murmurou.

-Sim! Sou eu! Posso falar contigo?

-Claro. Entra!

Subimos para o quarto dele e foi lá que lhe disse:

-Eu peço desculpa... A Jennette contou-me tudo e ...

-A Jennette?!

-Sim... Olha eu fui injusta, parva e egoísta... Ela estava com um problema grave por causa da mãe e eu nem quis saber...

-Pois! - disse meio zangado.

-Ela disse-me que ainda gostavas de mim... É verdade?

-Infelizmente sim!

Infelizmente?! Eu acabei de lhe pedir desculpas.

-Como assim? - tentei ser calma e compreensiva.

-Olha Miranda, não consigo aguentar o teu feitio. Desconfias de mim a toda a hora. Não quero namorar com uma pessoa assim... Aliás, não suporto estar com pessoas assim. Se gostasses mesmo de mim não irias desconfiar de mim e ias ouvir-me..

Ele tinha sido um bocadinho agressivo mas eu merecia ter ouvido aquilo.

-Nathan eu... posso mudar..

-As pessoas não mudam quando querem... As coisas mudam!

-Olha Nathan eu não vim aqui para ouvir isto! Se não queres estar comigo tudo bem! - sai do quarto com lágrimas nos olhos.

Agora sei o que sinto por ti (pelo Nathan).

Sai de casa andei um bocadinho e a Jennette apareceu com uma cara de preocupada.

-O que aconteceu?

Agarrei nas mãos dela e cai no chão. Ela sentou-se à minha beira e abraçou-me. Chorei como nunca tinha chorado e fiquei no chão durante uns cinco minutos. Quando acabei por me levantar contei o que tinha acontecido à Jennette.

-Lamento muito!- disse ela.

Acabei por ir para casa e passei uns dias infernais. Acho que nunca mais vou superar o que me aconteceu...

 

Espero que tenham gostado. :) Só para que saibam o próximo capítulo é o último! :) Depois começo uma nova fic! :)


05
Ago 10

:” I'm feeling weak”.

Passámos dias muito divertidos e animados. Cada vez me sentia mais próxima do Nathan. Até que chegou a uma Terça-feira em que ele me disse:

-Qual é o teu maior desejo?

-Bem, tenho muitos – Disse sem perceber onde é que ele queria chegar com aquela conversa.

-O meu maior desejo deste momento é beijar-te. – Dito isto aproximou-se de mim e deu-me o beijo que me deixou sem fala.

Senti-me bem, mas ao mesmo tempo mal por estar a trair a confiança da minha melhor amiga, mas afinal, ela não quer ser mais minha amiga. E além, disso ela acabou com ele.

Passamos o resto do dia muito alegres, ele beijava-me de vez em quando e eu esquecia a Miranda, por momentos. Nem sequer pensava no que ela estaria a sentir naquele momento. Estava tão feliz que não queria saber.

Infelizmente a minha felicidade não durou muito. Numa Sexta-feira ele encontrou-se comigo e disse-me:

-Jennette, o que te vou dizer não é fácil. Passei momentos maravilhosos contigo, mas fui egoísta. Enganei-te. Desculpa, mas não gosto mesmo de ti. Só consigo pensar na Miranda.

Tentei conter-me. Não queria chorar em frente a ele. Não queria que ele me acha-se fraca.

Murmurei qualquer coisa parecida com isto:

-Então, tudo bem, vai ter com ela. Eu fico bem.

Abracei-o e fui para casa chorar. Não jantei, não dormi. Estou-me a sentir fraca. Fui enganada, destroçada. E ainda perdi a minha melhor amiga. Mas não estou zangada com ele. Apenas seguiu o coração. Isso é bom. Ao menos ainda teve a decência de me explicar o porquê de acabar comigo e não apenas acabar e ir-se embora. De uma coisa eu tinha a certeza: ele e a Miranda ainda se amam e ninguém os pode proibir de se amarem. Muito menos eu que sou, supostamente, a melhor amiga dela.

Levantei-me da cama, apesar de não ter dormido nada. Estava com umas dores de cabeça terríveis. Mal me aguentava em pé. Tomei o pequeno-almoço apesar de não querer. Deitei-me no sofá e sem mais nem menos comecei a chorar.

Foi no meio da choradeira patética toda que comecei a sentir-me angustiada. A Miranda tem de saber a verdade. Tem de saber o que se passou naquele dia. Ela tem que perdoar o Nathan. Decidi contar-lhe a verdade quer ela quisesse ou não. E é exactamente isso que vou fazer. E isso vai ser ainda hoje.

 

Sei que está muito pequeno e horrível... Mas espero que gostem! :)


04
Ago 10

Como já devem ter reapardo o blog tem um novo cabeçalho graças ao blog Make it Designs :)


03
Ago 10

“Sometimes things change!”

 

Eu vi a Jennette e o Nathan juntos, mas juntos mesmo. A abraçarem-se. Tal como o Nathan me abraça a mim. Aquilo foi o choque. Eu estava chocada. As lágrimas caíam sobre a minha face. Não conseguia pensar. Nem conseguia reagir. Por momentos tentei fingir que não eram eles. Mas eles não se largavam. Eu senti-me tão infeliz, mas infeliz mesmo. Sentia que o mundo estava todo em cima de mim.

Aproximei-me deles e a única coisa que saiu da minha boca foi:

-Nunca pensei. A minha melhor amiga. E tu Nathan… Depois daquilo que me contaste quando começamos a namorar fazes-me isto. Tinhas medo que eu te fizesse o mesmo que a Emma e tu é que fazes isso. Odeio-vos tanto!

Miranda off/Jennette on:

Mas não era nada daquilo que ela pensava. Não estávamos a fazer nada de mal. Somos amigos é normal. Eu estava mal por causa da minha mãe e ele apenas me abraçou para me consolar. Não há problema nisso. Ela tem que entender. Não, ela vai entender. Coitado do Nathan. Ele não merecia isto.

Tentei consola-lo:

-Nathan, a culpa é toda minha. Não te preocupes. Eu falo com ela e digo-lhe que fui eu que te abracei!

-Não! Não faças isso. Ela exagerou. Ela nem me ouviu. A culpa não é tua nem minha, a culpa é dela. Ela nunca me ouve e tira sempre conclusões precipitadas. Ela só pensa nela e nos problemas dela!

Não gosto que ninguém fale assim da minha melhor amiga mas ele tinha alguma razão. Eu estou com um problema sério e ela nem quer saber. Nem sequer nos ouve. E agora tanto ela como o Nathan estão destroçados.

-Nathan, não fiques assim. – disse a olhar para a cara triste dela – ela há-de entender.

Ele abraçou-me e foi ai que percebi que ele estava mesmo mal.

Durante dois dias passamos todo o tempo juntos. Estava a começar a apaixonar-me por ele. Mas ele continuava a pensar na Miranda. E eu achava melhor eles ficarem juntos. Numa tarde ele disse-me:

-Estavas cá quando mais ninguém esteve. Apoiaste-me quando mais ninguém o fez. E estou a começar a gostar de ti…

-Bem, eu gosto, mas gosto mesmo de ti.

-Pois e eu também gosto mesmo de ti! Quer dizer, estou confuso, mas é contigo que eu quero estar.

-Mas então e já não gostas da Miranda?

-Por vezes as coisas mudam.

 

Está muito pequeno mas espero que tenham gostado! :)


01
Ago 10

“Jennette finally appears!”

 

O Nathan ligou-me e combinamos ir almoçar ao McDonald’s no centro comercial.

Quando cheguei lá entrei no restaurante e vi o Nathan.

-Olá! – disse ele muito alegre.

-Olá – sorri-lhe.

Beijei-o.

-Era assim que eu gostava de acordar todos os dias.

Rimo-nos.

­-Pois claro. - Disse eu com cara de malandra.

-Vamos fazer os pedidos?

-Não. Tu vais-te sentar e eu vou fazer os pedidos para compensar aquilo de ontem.

-Mas não te vou deixar aqui sozinha.

-Ai isso é que vais. Vai-te sentar! Não tentes discutir comigo.

-Ok. Até já. – Beijou-me e saiu.

Já tinha os tabuleiros nas mãos e fui ter com ele. E quando lá cheguei vi uma coisa que quase me pôs a chorar. O Nathan e a Jennette aos risinhos muito íntimos. Não podia acreditar. A Jennette finalmente aparece. E logo naquele dia, e logo naquele sítio. Aquilo deixou-me de rastos. Olharam os dois para mim à espera que eu fosse ter com eles. Eu deixei os tabuleiros em cima de uma mesa qualquer e fui-me embora. Fui ao quarto de banho das senhoras e lavei a cara. A Jennette entrou.

-Miranda! O que se passou?

-O que se passou foi que tu e o meu namorado passam muito tempo juntos. – Disse enquanto chorava.

-Aquilo foi por acaso. Eu estava a almoçar para mais tarde ir ter com a minha prima e encontrei o Nathan. Como estava a comer sozinha ele convidou-me para ir para a vossa beira. Pensei que não te ias importar. Se soubesse tinha ficado longe. Só acho que foi um exagero o que fizeste Miranda. Desculpa. A culpa é minha por ter aceitado o convite dele. Mas ele não tem culpa. Ele adora-te. Vai mas é ter com ele. Ele ficou preocupado contigo.

-Tens razão. E não há qualquer problema em almoçares connosco. Desculpa. – Abracei-a.

-Anda lá. Lava a cara e vamos almoçar que eu estou cheia de fome.

No fundo já tinha saudades da Jennette. Sempre muito divertida e animada. Ele tinha toda a razão. Eu estava a ser estúpida e estava a ser exagerada.

Voltamos ao restaurante. Agarrei o Nathan e dei-lhe um beijo que o fez sorrir.

-Está tudo bem? – Perguntou-me.

-Claro!

Comemos e a Jennette teve que ir ter com a prima.

Passei um dia muito divertido no centro comercial. Até aproveitei para fazer umas compras que eu precisava.

Voltei para casa e passei o resto do meu dia sem fazer nada. Estava cansada. Estava cansada mas feliz.

Depois do jantar telefonei ao Nathan e à Jennette e fui ver televisão. Adormeci no sofá e hoje de manhã acordei (no sofá) com o cobertor em cima de mim.

Ainda era cedo por isso decidi ir ver televisão. Tomei o pequeno-almoço. Por volta das onze horas fui ter com o Nathan ao parque. Quando lá cheguei nem queria acreditar. Eu não conseguia acreditar. Eu estava cega. Eu não podia acreditar no que via.

By ficsaboutstars às 10:19
I'm feeling...: Contente com os comentários!
Music :) : The climb

30
Jul 10

“What I feel”

 

A verdade é que fiquei irritada ao saberdo telefonema do Nathan e da Jennette. Quer dizer não é normal isso acontecer. De onde surgiu tanta preocupação? Eles falam, mas só na escola. Nunca soube de nenhum telefonema entre eles. Quer dizer, o que eu sinto, é que estou com ciúmes sem motivo. Mas aquilo realmente não foi normal. Ele não pensou no que eu senti. No que eu sinto. E ainda me conta aquilo como se fosse a coisa mais normal do mundo.

O que interessa é que fiquei o resto do dia a pensar naquele maldito telefonema, e sobre o que eles devem ter falado. Estava distraída e não pensava em mais nada.

Então decidi ligar ao Nathan. Chamou, chamou, mas ninguém atendeu.

Passados dois minutos ele ligou-me de volta. Estava furiosa e nem sei bem porquê. Só depois do que lhe disse ao telemóvel me apercebi porque estava cheia de raiva.

Inicio da chamada:

-Olá, desculpa não ter atendido mas estava a …

-Oh, deixa lá. O que interessa?! Devias estar a ligar à Jennette.

Fim da chamada.

Eu desliguei. Eu não acredito. Eu desliguei o telefone. Sem saber porque é que ele não tinha atendido. Eu parecia desesperada. Ele tentou-me ligar nos minutos seguintes mas não atendi. Estava cheia de vergonha e cheia de raiva.

Passados uns dez minutos o meu pai chamou-me:

-Miranda, tens uma visita!

Pensei na Jennette. Não queria vê-la. Mas a culpa nem sequer é dela. Quer dizer, quem lhe ligou foi o Nathan.

Dirigi-me à sala e quando cheguei lá estava o Nathan à porta, o meu pai também à porta e a minha mãe e a Kim no sofá. Aquilo mais parecia um momento familiar. Corei. Então avancei até ao Nathan e empurrei-o para fora de casa. Disse-lhe para esperar um bocadinho.

-Não nos podiam ter dado alguma privacidade?! – protestei a olhar para o meu pai.

-Desculpa. – lamentou a minha mãe.

-Não faz mal.

Saí e fui ter com o Nathan.

-O que é que tu queres? – fui agressiva.

-Quero saber o que se passa. O que foi aquilo à bocado?

-Oh, não ligues. Eu sou parva.

-Não és nada. Eu teria feito a mesma coisa.

-Ai sim?! Fico mais descansada.

Até porque um rapaz que vem a minha casa e enfrenta o meu pai é porque gosta mesmo de mim.

-Ainda bem. – Beijou-me – não posso ficar muito tempo. A minha mãe está à minha espera.

-Claro! – Abracei-o e beijei-o – vemo-nos amanhã.

-Eu ligo-te e combinamos qualquer coisa. – disse ele já no meio da rua.

-Ok, até amanhã.

-Até amanhã.

Fiquei um longo tempo a vê-lo ir embora. Ele olhava para trás de vez em quando e passado algum tempo deixei de o ver.

Entrei em casa e fui para o meu quarto. Já estava mais descansada. Então decidi ligar à Jennette. Até porque a minha melhor amiga estava num momento mau da sua vida e eu nem estava importada.

Falei com ela. Ela disse que estava tudo bem. Disse-lhe que combinávamos qualquer coisa depois porque amanhã não podia porque ia sair com o Nathan. Desliguei o telemóvel e fui dormir.

 

Espero que tenham gostado.

Tive muitos comentários recentemente e agradeço muito por isso. Muito obrigada. Nunca pensei em ter tantos comentários só com dois capítulos. Muito obrigada mesmo. Fico muito contente por saber que vocês gostam! :)

By ficsaboutstars às 21:08
I'm feeling...: Happy :)
Music :) : Liberty Walk - Miley Cyrus <3

“I fell in love”

 

 

É de manhã e eu estou a tomar o pequeno-almoço com o diabo em pessoa Kim.

-Já ouvi falar do teu beijo com o teu novo namoradinho…

Parece que já toda a gente sabe. E toda a gente podia saber menos a cínica da Kim.

-Como é que tu sabes? – Perguntei-lhe e tentei manter a calma.

-Não interessa… Mas se queres mesmo saber ouvi o pai a contar à mãe.

-E tens algum problema com isso?

-Não por acaso até nem tenho…

-Então para que é que vieste com essa conversa.

-Para te irritar e para ir eu primeiro para a televisão. É que enquanto falas e pensas eu como…

-Eu também não queria ir para a televisão!

Na verdade queria. Mas não a podia deixar ganhar. Ai que chata que ela é. Agora o que é que vou fazer? Ah! Já sei, vou ligar ao Nathan.

Inicio da chamada:

-Olá

-Olá, tudo bem? – respondeu.

-Sim e contigo?

-Também.

-Já falaste com a tua mãe?

-Não, mas ia falar agora. Ela acabou de acordar.

-Ah! Ok. Então desculpa. Eu posso ligar mais tarde.

-Não podes nada. Não quero que desligues.

-Mas eu tenho que ir! – o meu pai estava a chamar-me.

-Falámos depois no parque ok?

-Ok. Até logo.

Fim da chamada.

A doçura da sua voz deixava-me encantada. Mesmo ao telefone. Eu sabia, não, eu tinha a certeza de que estava mesmo apaixonada. Só queria estar com ele, só queria falar com ele. E por vezes os telefonemas não eram suficientes. Senti a falta dele a cada minuto. É verdade, sim é verdade, pela primeira vez na vida eu apaixonei-me. Eu apaixonei-me!

 

Após o almoço dirigi-me ao parque. Quando cheguei lá já o Nathan estava sentado no banco. Decidi fazer-lhe uma surpresa. Fui por trás dele e agarrei-o e dei-lhe um beijo. Ele sorriu e sentámo-nos os dois a falar.

-Então o que disse a tua mãe?

-Bem, ela acha que fez bem em ter contado ao teu pai.

-Pois, sabias que a Kim já sabe de tudo?! É que o diabo gosta de ouvir atrás das portas e ouvi o meu pai a contar à minha mãe!

-A sério?! Que chata.

-Sim, eu sei.

-Eu liguei à Jennette e…

-Tu ligas-te à Jennette?

O quê?! O meu namorado ligou à minha melhor amiga?!

-Sim, para saber se ela precisava de ajuda ou assim.

-Ah! Está bem.

-Ela disse que não e que estava tudo bem. A mãe dela sai do hospital hoje e depois ela já pode ir à vida dela.

-Ainda bem… Talvez possa ir jantar a minha casa um dia destes.

-Pois.

Fiquei sem saber o que dizer então decidi perguntar-lhe o seguinte:

-Mas o que é que te deu para lhe ligares? É que foi assim do nada…

-Sei lá. Imagina que ela precisava de ajuda…

-Ah, está bem.

Fomos dar um passeio pelo parque enquanto falávamos. Falamos sobre coisas que não interessam a ninguém e quando demos pelas horas eram seis horas. Então fomos os dois para casa.

 

Peço desculpa por ser tão pequeno e tão fraco. Também peço desculpa por postar tão rápido, mas é que já comecei a escrever uma nova fic e gosto mais do que desta. Mas como já acabei os capitulos desta vou postar!   :)

By ficsaboutstars às 16:36
I'm feeling...: Happy :)
Music :) : About you now :)

arquivos
2010

Make it designs
Always Fashion and Pretty
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO